Telefone: +351 279 880 040 - Email: cmeda@cm-meda.pt
O que procura?

Poço do Canto.

 

poco de cantoPopulação: 433 Habitantes

Distância à sede de Concelho: 5 Kms

Área: 1.622 Ha

Orago:Nª Srª da Assunção

Anexas: Vale do Porco, Cancelos de Cima, Cancelos de Baixo

 

Notas Históricas

A

origem do topónimo parece ser o latino Puteus-i, poço, subterrâneo, masmorra ou cisterna, ou também o feminino Putea, poça, cova, e materializa-se documentalmente na alta Idade Média (nas Inquirições). Na explicação de António Carreira Coelho, in “A Guarda”, de 14-09-2001, à época e em tempo de crise significava o imperioso e quase exclusivo suprimento de água por nascente natural ou mesmo por captação para cisterna. Chantus-i, além de ter sido um frequente nome romano que indicaria a propriedade, podia provir de origem céltica (“kant”) aplicada ao arco de ferro de uma roda de madeira de carro de atrelagem, praticável por ferreiros.

Por sua vez, a aplicação do topónimo Columba (local mais provecto e provável berço da povoação) é um bom e raro indício de apoio de antiguidade; a conservação do “l” intervocálico, quando na Idade Média se passou pela forma de Coumba>Coomba>Comba, vem em abono de maior anterioridade e, talvez, nesta indecisão ou evolução, a dever considerar-se reflectida no período antecedente ao nosso idioma. Por outro lado fica provada a grande antiguidade de um culto local (porque o topónimo deve-se à existência, no cume deste monte, da ermida dedicada à Virgem Santa Comba e com ela o remoto povoamento destes territórios, sendo de crer que este monte tivesse sido remotamente castrejo, de boa defesa natural e que o culto aí instituído houvesse sucedido a uma devoção pagã e Cantus como cerimónia mágica e encantamento.

Outros nomes habitados da freguesia denotam, na aparência e na aplicabilidade, idêntica origem e antiguidade. Incidamos, por exemplo, em Cancelus e Sicarius, radicados na nossa língua. O termo “cancelo” aqui aplicado a três povoados são sintomáticos de um único e embrionário “Cancelo”. Cancellus configura campos definidos e vedados. “Cancelum” é mais uma das adaptações idiomáticas de transição que, com certeza, provém de uma tal demarcação foreira de terrenos. Ainda hoje a delimitação de um aprisco nocturno toma o nome de “cancelas”, tal como a vedação de uma propriedade (murada) se designa cancela ou cancelinha. A acepção de Cancelo, ante ou post-mediévica, era objectiva e restritiva – “extra cancellos non egredi” – não ultrapassar os limites.

No primeiro período da monarquia, Poço do Canto e as suas aldeias eram do julgado de Ranhados e não havia aí possessões ou honras de nobres. O território desta freguesia depois de 1377 (Carta de 12 de Julho de 1381) inscreve-se numa munificência do rei D. Fernando aos pais de Pero Lourenço de Távora (notável fidalgo do século XIV de quem procede a Casa dos Távoras, marqueses de Távora e condes de S. João da Pesqueira) e a seu irmão Rui Lourenço, que neles continuou e foi um dos mais acérrimos apoiantes de D. Fernando em todos os momentos, mesmo nos mais difíceis.

O orago do Poço do Canto é Nossa Senhora do Pranto ou, na invocação de mais ancestral devoção, Nossa Senhora das Dores. A Igreja Paroquial é dos finais do século XVIII, nela sobressaindo a artística talha dourada que reveste o arco que separa a nave da capela-mor. O lavabo da sacristia, mandado reconstruir pelo comendador de Ranhados, tem a data de 1794.

A antiga freguesia foi um curato anual de provimento do Comendador de S. Martinho da vila de Ranhados, a cuja municipalidade pertencia. Pouco depois autonomiza-se como abadia. No primeiro período da monarquia ainda não existia a paróquia do Poço do Canto, nem sequer no primeiro terço do Século XVI. Ao tempo, a paróquia de Ranhados atravessava a Teja para a margem direita; posteriormente, com o crescimento da população e pela grande distância a que estes povos estavam da matriz de Ranhados, com a Teja de permeio, foi criada a paróquia no lugar do Poço do Canto e a Ermida local passara a Igreja de Santa Maria; a nova paróquia, filial daquela, ficou, por isso, a ser provida pelo reitor de Ranhados.

Nesta freguesia há ainda as capelas da invocação de Santa Bárbara, em Sequeiros, a capela de Santo Apolinário em Vale do Porco; a de Nossa Senhora da Conceição, em Cancelos de Baixo, e a do Divino Espírito Santo em Cancelos de Cima e do Meio. Contavam-se ainda, como capelas particulares, uma dedicada a Jesus ,Maria e José, nos Cancelos de Baixo e outra dedicada a Santo António.

No dia de Pentecostes cumpre-se na paróquia do Poço do Canto um costume que deve remontar ao século XIV, período em que foi incrementada em Portugal a devoção ao Espírito Santo: do alto da torre da sua Igreja Matriz são lançados pequenos pães bentos que as pessoas recolhem e levam para casa, como lembrança das línguas de fogo que desceram no Cenáculo e símbolo da Caridade que deve ser praticada por todos os cristãos.

Em 1758 o cura desta freguesia refere numa sua memória que esta localidade “está situada em um altinho”, dominante da Ribeira Teja. Em 1708 a freguesia registava no seu aro 128 fogos e 496 habitantes; em 1862 tinha 221 fogos e 871 habitantes; em 1900, tinha 307 fogos e 1192 habitantes; teve o seu ponto mais alto em 1940, com 404 fogos e 1355 habitantes, chegando a 1960 com 404 fogos e 1348 habitantes e perdendo nos 20 anos seguintes cerca de 40% da sua população. Em 1981 tinha 349 fogos e 828 habitantes, numero este que baixou ainda para 723 no censo populacional de 1991.

No adro do Poço do Canto podem-se apreciar algumas construções de interesse, como a Casa do Cônsul e a Casa de D. Alda. Nos Cancelos de Baixo somos surpreendidos por um belo solar barroco do Século XVIII onde se alojou Alexandre Herculano, em 1852, a convite do então proprietário Caetano de Seixas (hoje do Dr. José Lopes Cavalheiro).

Nesta freguesia produz-se um excelente vinho de consumo (tipo palhete, muito aromático, gasoso e bem apaladado, muito procurado e apreciado), assim como azeite de excelente qualidade, que constituem a riqueza e fonte de receita dos seus habitantes. Aui existe ainda um pequena industria ligada á moagem de cereais. Os antigos castanheiros, que em tempos remotos cobriam as suas terras de soutos, foram sendo substituídos pelos vinhedos que hoje são o seu orgulho e o seu ganha-pão, daqui saindo anualmente muitas pipas de vinho da mais alta qualidade, designadamente para a cidade do Porto.

Bibliografia:

Coelho, António Carreira – “As nossas terras” – Jornal “A Guarda” de 14-09-2001, pag. 14;

Rodrigues, Adriano Vasco – “Terras da Meda – Natureza e Cultura” – 1983;

Saraiva, Jorge António Lima – “O Concelho de Meda – 1838-1999” – 1999.

Localização

freg-poco-canto

Voltar para o Topo